Out

Out

SEGUIDORES

...

...

domingo, 18 de novembro de 2012

A intenção e o desejo.



Eu experimento a sensação da inutilidade e do vazio. Uma sensação que, ao ver por trás de todas as coisas, todas são ramificações do vazio e eu não encontro um único motivo pelo qual fazer qualquer coisa. Isso é a falta de desejo.

O desejo leve, desejo positivo, recheado da vontade simples de ser feliz, é o melhor desejo que eu posso procurar. Porque aquele desejo de "poder" e atingir o topo nos leva a frieza e ao vazio total. O amor torna-se egoísmo e a intenção torna-se apego e fuga da insegurança.

O seu cérebro é um biocomputador. Você pode programá-lo quando quiser e para a finalidade que quiser. tudo está ao seu alcance, e por isso as escolhas e desejos tornam-se tão banais, vazias e superficiais.

Mas quando seu cérebro é programado para o simples desejo de sentir-se bem, aproveitar as pessoas que gostamos e amamos e aproveitar cada segundo de nossas vidas, programamos ele também para o nosso bem-estar tanto material quanto emocional ou espiritual.

Você pode não acreditar no espiritual e sentir-se vazio. Isso acontece comigo o tempo todo. É que a natureza arquiteta tudo com a polaridade, os apostos e as nuâncias dos opostos, numa eterna dança de coisas opostas e os opostos se tocam em um terceiro ponto. E você está aqui, vivo e respirando, graças aos extremos opostos, com a finalidade de buscar algum equilíbrio e o caminho do meio. pois bem, o caminho do meio é medíocre, é a média, mas é confortável e cômodo. Nem sempre é bom ficar oscilando de um extremo ao outro. De vez em quando tudo bem, senão sua vida será uma eterna monotonia.

Somos movidos pelo desejo constante de comodidade, felicidade e equilíbrio. Mas o equilíbrio não existe parado, nenhum átomo é encontrado parado na natureza. Nenhuma subpartícula da menor que existir nesse imenso universo é encontrada parada, nada que nos compõe está parado.

Então não existe comodidade, nem estar parado, muito menos um eterno caminho do meio. Existem oscilações em uma faixa que você mantém para não dar margem à insegurança. Porque você só sobrevive sentindo-se seguro de si.

A nossa maior meta, utópica, é encontrar o equilíbrio e ir caminhando para a evolução sempre equilibrando os lados da moeda. Mas na realidade, nem sua genética está em equilíbrio: mutações dentro de você ocorrem o tempo todo. E você pode passá-las aos seus filhos. A evolução animal não ocorreu do dia pra noite, ocorreu em inúmeras oscilações e seleções das melhores combinações, e demorou aaaanos para ser arquitetada.

Os átomos também. Cada pedaço do seu corpo é arquitetado por tecidos, que são compostos por células a matriz extracelular, que são compostos por proteínas e estruturas químicas, além de carboidratos e lipídeos. Cada proteína que compõe o seu corpo é arquitetada por milhares de aminoácidos e ligações peptídicas, que são arquitetados por milhares de ligações de afinidades químicas, que são arquitetados pela dança de elétrons.

Como os átomos se ajustam em ligações químicas?
É a eterna vibração eletrônica, a dança dos elétrons. E ela existe graças à polaridade e diferença de propriedades na composição de cada átomo. O que eu quero dizer com isso??


Você está vivo graças à eterna briga atômica por um elétron. Do modo de vista quântico, você está vivo graças à eterna diferença de vibrações dos elétrons e das camadas que eles estão. E eu vou além: você está vivo graças aos pólos opostos que ficam oscilando para manter uma faixa de equilíbrio que nunca existirá. Tudo na natureza é a eterna busca por equilíbrio, a eterna dança de todas as variedades e características em busca de equilíbrio. E se um dia o tão desejado equilíbrio for encontrado?? como evoluiríamos? qual seria o sentido de conquistar ou desejar alguma coisa? qual seria o sentido das aspirações dos átomos pelo equilíbrio? como existiriam ligações químicas que mantém você vivo? O equilíbrio mataria tudo o que conhecemos?

Por isso, vida são oscilações, vibrações e movimento. Tudo o que fica parado morre. Vida é a eterna busca pelo movimento e por melhorar sempre o que existe. Vida é a eterna busca pelo equilíbrio e o eterno descontente, querendo sempre melhorar. Vida é movimento, é querer melhorar sempre e é sempre dar valor ao que já conseguimos melhorar. Vida é desejo e intenção. Não é ambição excessiva e nem desejo excessivo porque o excesso vem do medo de perder, vem da insegurança, vem do apego, e a insegurança mata tudo o que é bom porque ela é auto-destrutiva. Vida é uma pitada de desejo, uma pitada de intenção, uma pitada de ambição, tudo na medida certa.

Um comentário:

  1. Vida é esperança... nao importa a esperança "de que"... enquanto se tem esperança...seja no que for...a continuaçao da vida...

    ResponderExcluir

Obrigada pela visita!

Volte sempre

Um grande beijo da Gabi :)